O post que fala por si….

Tempo de leitura: 2 minutos

Tentarei ser o mais sucinta possível aqui…. mas o assunto é complexo demais e demanda mais do que apenas um post para melhor definição.
Sente-se e leia com ternura:
Bem… quando as pessoas comentam sobre o “Cristianismo”, o que realmente elas querem dizer?
Afinal, Catolicismo é uma coisa. Evangelismo é outra. Islamismo e Judaísmo também são diferentes. Hinduísmo, nem se fala! E o Kardecismo, idem…
Logo, o que seria o Cristianismo, além da visão proliferada pela “religião”?
Jesus — o “Cristo” — foi homem digníssimo e um grande buscador da verdade; imagine fazer isso naqueles tempos, de severa ignorância!?
Pois é. Ele fez e buscou essa dita “verdade” no mundo em que vivia e em tantos outros, questionando, estudando e viajando para “além dos sete mares” (existe a teoria que ele se tornou adepto da filosofia budista enquanto visitava o lugar atualmente conhecido como Nepal), indo atrás de um conhecimento de ordem interpessoal que o relacionasse melhor ao meio ambiente em que sobrevivia. Porque era somente isso que Jesus sabia: se “sacrificar” pelos outros, a realmente viver por eles. Afinal, Jesus era homem letrado e cultíssimo se comparado à maioria e um grande professor a todos que o ouviam.
Tanto foi um “Ser” deveras elevado que, enquanto sofria perseguições de todos os tipos, ele aperfeiçoou qualidades como compreensão e perdão, ganhando assim passagem gratuita de entrada “aos céus” pelo desenvolvimento de sua “autoconsciência” (metáforas à parte, mas, incluídas☺️).
Ou você acha que os milagres eram feitos assim…. do nada?!
Naquele “autoconhecimento” ou pela “Consciência de Si” nascia o Cristianismo pela averiguação de Jesus como sendo um “Ser Crístico” — um Ser na versão maiúscula de Si — cuja força do seu “Corpo de Cristo” ainda sobrevive em cada um de nós, assim como sobrevive a sua palavra — do Brasil à Moçambique, de Portugal à Angola — e por todos os outros lugares onde o português não é falado, mas onde a língua Dele ainda é, pela prática do amor e da caridade. Algo, que nos é intrínseco…
Repare como nos sentimos bem depois que fazemos algo bom para os outros! 😉
Ou seja, temos todos essa parcela crística a pulsar em nossos corações, basta senti-la e agir nessa melhor porção de si.
Todo dia, um pouco para que seja para sempre…
Em fim.
Começamos a falar sobre esse assunto para que possamos procurar pelo equilíbrio individual e quiçá encontrarmos uma harmonia social.
Eu topo.
Você?
#consciênciaecológica #fraternidade#ciênciaeconsciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *